• : Notícias Agrícolas e Agências de Comunicação

Entrada de novas pragas agrícolas no Brasil podem causar prejuízos no agronegócio


O agronegócio brasileiro está sob ataque. Nos últimos meses, três novas pragas agrícolas foram detectadas no país, fato que serviu para reaquecer as discussões sobre a importância da defesa fitossanitária no Brasil. Na última semana, dezenas de especialistas estiveram reunidos em São Paulo para apresentar as novas pragas e apontar caminhos para a erradicação desses invasores, que já causam prejuízos aos produtores em várias regiões do país.

Entre as novidades, a que mais preocupa até o momento é a Melanagromyza, também conhecida como Mosca-da-haste da soja, identificada no Rio Grande do Sul em julho desse ano. Trata-se de uma praga importante na Austrália, onde causa perdas de até 30% na produção de grãos, mas que já está amplamente disseminada pela Ásia. A Melanagromyza também está presente no Paraguai e Argentina, que podem ter sido a origem dos invasores encontrados no Brasil.

A situação exige atenção, especialmente pela lentidão das autoridades no Brasil. “É preciso mais agilidade. Paraguai e Argentina poderão fazer o controle da Melanagromyza mais facilmente, pois terão produtos disponíveis para o combate mais rapidamente. Eles já estão testando produtos. No Brasil, a burocracia deve retardar a chegada desses produtos”, afirma Jerson Guedes, pesquisador da Universidade Federal de Santa Maria.

Outra ameaça real à agricultura nacional, também apresentada nesta quinta-feira, é uma nova variedade da lagarta Helicoverpa, que tem causado prejuízos bilionários aos produtores brasileiros nos últimos anos. Identificada no Ceará, a Helicoverpa punctigera é tão agressiva quanto sua “prima” armigera. Estimativas indicam uma perda potencial de até 16 sacas por hectare de soja, 54 sacas na cultura do milho e até 76 sacas no algodão.

A terceira espécie apresentada, já conhecida por muitos cotonicultores, é a Amaranthus palmeri, principal praga do algodão e soja nos Estados Unidos, identificada pela primeira vez no Brasil há alguns meses no estado do Mato Grosso.

A falta de controle dessa espécie pode causar perdas de até 91% na cultura do milho, 79% na soja e 77% no algodao, segundo bibliografia norte-americana. A Amaranthus chama a atenção por não manifestar qualquer sintoma de fitotoxicidade após a aplicação do herbicidas, o que torna o seu combate ainda mais difícil.

#bomjesus #cooperativismo #soja #Moscadahastedasoja #Melanagromyza #helicoverpa #Amaranthus #Helicoverpapunctigera

ENTRE EM CONTATO

Rodovia do Xisto, Br-476,Km-198, s/nº - Olaria

Lapa/PR 83.750-000  Fone: (41) 3622-1515

bomjesus@bj.coop.br

 ©‎ Todos os direitos reservados | Cooperativa Agroindustrial Bom Jesus - Tradição, Respeito e Constante Evolução