• Com informações do Sistema Ocepar.

SAFRA 2015/16: Paraná deverá colher 20,6 milhões de toneladas de grãos


O clima, sob a influência da corrente El Niño, prejudicou o desempenho de parte da safra de grãos de verão 2015/16, frustrando as expectativas de produção no Paraná. O relatório do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria estadual da Agricultura e do Abastecimento, relativo ao mês de abril, reviu a avaliação e aponta uma queda de produção de 7% em relação ao mesmo período do ano passado. O Paraná está colhendo um volume de 20,6 milhões de toneladas de grãos nesse período do ano, contra 22 milhões de toneladas colhidas no mesmo período do ano passado.

Resultado satisfatório- Para o secretário estadual da Agricultura, Norberto Ortigara, mesmo com a quebra na produção o resultado da safra é satisfatória, pois só ficou abaixo do volume alcançado no ano passado, que foi um recorde. Ele ressaltou que a atenção com o zoneamento agrícola, adesão ao Proagro e/ou ao seguro rural privado reduzem os riscos de perdas da produção e de rentabilidade, considerando que os mecanismos de proteção cobrem os gastos com o custeio e de produção respectivamente.

Ferramenta importante- Ortigara observou que o zoneamento agrícola é uma ferramenta muito importante à disposição dos produtores, pois com ele é possível fazer o plantio escalonado, dentro da época recomendada pela pesquisa, o que ajuda a minimizar o risco em casos de eventos climáticos severos.

Cautela - Para a segunda safra de grãos e safra de inverno, a expectativa também é de cautela, disse o diretor do Deral, Francisco Carlos Siminioni. Segundo ele, a maior parte das culturas entra em fase de risco com a chegada do inverno, e produtos importantes, como milho e feijão da segunda safra, já sofreram com excesso de chuvas nos meses de fevereiro e março, seguido de temperaturas elevadas acima da média em abril. “Ao contrário do que ocorreu na primavera e verão, este mês foi muito seco e também prejudicou principalmente o milho segunda safra, cujo plantio se estendeu até o início de março devido ao atraso na colheita da soja”.

Cotações - Simioni diz que a redução na oferta de produção de grãos nos mercados interno e externo elevou as cotações de praticamente todos os produtos agrícolas, com poucas exceções, o que está beneficiando muito o produtor. Segundo ele, este ano o produtor que conseguiu escapar dos reveses do clima está faturando mais, especialmente aquele que diversificou e não apostou todas as fichas em soja, plantando parte da área da primeira safra com milho, produto que vem tendo uma remuneração excelente.

Soja - O Deral fez um ajuste na dimensão da produção de soja no Paraná, em função das informações de campo que apontam redução de 8% na produção do grão. O plantio de soja ocupa 5,3 milhões de hectares, quase a totalidade da área agricultável neste período do ano em todo o Estado. A expectativa inicial apontava para uma produção de 18,2 milhões de toneladas, e a colheita está revelando que a produção será de 16,7 milhões.

Menor - Com isso, a safra será 1% menor do que a do ano passado, quando foram colhidas 16,95 milhões de toneladas. Para o economista da Conjuntura Agropecuária do Deral, Marcelo Garrido, ainda assim será uma grande safra de soja, devendo ser a segunda maior da história.

Mercado internacional- Com a redução na oferta de soja na região Sul do País, mais o estrago que as chuvas provocaram na produção do grão, com queda de 10% prevista na Argentina, os preços se elevaram no mercado internacional, cenário que beneficiou os produtores paranaenses. Em um ano, os preços pagos ao produtor subiram 16%, passando de R$ 57,57 a saca em abril do ano passado para R$ 66,73 a saca em abril deste ano.

Manutenção - Segundo Garrido, a tendência para o preço da soja é de manutenção de preços bons no médio prazo, podendo se elevar ainda mais dependendo do desempenho da safra norte-americana que está sendo plantada. Em contrapartida, o produtor vem enfrentando aumento nos custos de produção, por causa da valorização do câmbio.

Segunda safra de soja- A segunda safra de soja plantada no Paraná, que está em campo, está mais promissora, apontando para um aumento de 17% na produção. Esse resultado é reflexo do aumento de área plantada, que este ano foi de 21% e a melhora no clima até agora, quando as temperaturas se mantiveram mais elevadas. Com a chegada do inverno, pode ter alterações na expectativa de produção que aponta para uma colheita de 355.323 toneladas.

Milho - A produção que está em campo atualmente é o milho da segunda safra, que sofreu com a elevação da temperatura a partir do final de março e até o final de abril. O Deral já está calculando uma quebra de 4% na produção esperada. O potencial produtivo inicial previsto apontava para uma produção recorde de 12,9 milhões de toneladas. Agora, com a reavaliação do mês de abril, está sendo prevista uma produção de 12,4 milhões de toneladas, uma redução de 500 mil toneladas de milho no Estado, que se destaca como o maior produtor do País.

Preocupação - Segundo Edmar Wardensk Gervasio, responsável técnico pela área de milho, a preocupação agora é com o período de inverno que se inicia e pode provocar mais baixas na produção. Isso porque cerca de 84% da área plantada, avaliada em 1,8 milhão de hectares plantados, entra na fase de risco. A ocorrência de geadas daqui para frente pode prejudicar o período de formação dos grãos, explicou.

Volume - O volume de produção de milho no Paraná já vem em queda desde a primeira safra, quando a lavoura teve perdas de 26% no resultado final em relação ao ano passado. Na safra de verão 2015/16 estão sendo colhidas 3,4 milhões de toneladas, uma das menores safras da história neste período do ano.

Ritmo acelerado- Com a redução na oferta de milho no Paraná, na Argentina e queda nos estoques internacionais, o preço está num ritmo de alta nunca verificado antes. Em um ano, teve um aumento de 77% no preço pago ao produtor.

Valor - Segundo levantamento do Deral, o milho vendido pelo produtor estava a R$ 20,87 a saca com 60 quilos em abril do ano passado. Este ano, no mesmo mês, o produtor está vendendo a saca por R$ 37,00. Esse aumento provoca impactos nos custos de produção de aves, suínos e de bovinos de leite que usam o milho como principal insumo na ração animal.

Feijão - Segundo o Deral, a segunda safra de feijão, em campo, está com 19% da área de 205.459 hectares colhida e a produção que já estava com uma previsão menor para o volume colhido em relação ao mesmo período do ano passado será menor ainda. A falta de estabilidade do clima prejudicou o desenvolvimento das lavouras, que já apresentam uma quebra na produção de 7%. A produção esperada era 374.328 toneladas.

Rendimento menor- O excesso de chuvas entre os meses de janeiro e fevereiro, seguido de temperaturas muito elevadas para o período durante o mês de abril, provocou a redução no rendimento das lavouras, explicou o engenheiro agrônomo Carlos Alberto Salvador. O técnico acredita que a queda na produção poderá ainda se acentuar já que 53% da área plantada, que equivale a 110 mil hectares, está em fase de risco.

Influência - Segundo Salvador, esse cenário influencia o mercado porque essa região que está vulnerável à queda de temperaturas representa cerca de 54% da produção de feijão da segunda safra. Ele ressalvou que o período mais crítico para o feijão da segunda safra está nos próximos 15 dias. Depois disso, as lavouras saem do risco, disse.

Reflexo - O reflexo desse cenário é o aumento no preço do feijão para o consumidor final. No último ano o preço do feijão de cor subiu 78% no preço pago ao produtor, e 32% de alta para o feijão preto. Em abril do ano passado, o feijão de cor era vendido por R$ 119,20 a saca com 60 quilos e em abril deste ano está cotada a R$ 212,50. O feijão de cor era vendido, pelo produtor, por R$ 110,51 a saca em abril do ano passado e um ano depois está sendo vendido, em média, por R$ 145,43 a saca.

Trigo - O avanço do plantio de trigo revela um recuo ainda maior na área ocupada, em relação à área plantada no ano passado. Este ano deverá ser plantado um total de 1,15 milhão de hectares, uma queda de 14% em relação aos 1,34 milhão de hectares plantados no ano passado. Com isso, a expectativa de produção é de 3,5 milhões de toneladas, se tudo correr bem com o clima, observou o engenheiro agrônomo Carlos Hugo Godinho.

Atraso no plantio- Houve atraso no plantio de trigo, em decorrência da seca no mês de abril, mas essa situação pode ser recuperada com tranquilidade porque as lavouras são todas mecanizadas, ressaltou o técnico. Além disso, o retorno do frio ajuda nesse período. Espera-se um incremento no plantio a partir desta semana e a recuperação desse pequeno atraso no plantio.

Risco - O estágio de risco só começa daqui a 60 dias, quando a cultura entra em fase de vulnerabilidade à queda acentuada das temperaturas, explicou Godinho. Segundo ele, agora que os preços melhoraram internamente não há oferta do produto no Paraná. Ele explica, porém, que não há espaço para aumento acentuado nas cotações do trigo porque a produção argentina representa uma ameaça à produção nacional. Principalmente depois que o novo governo da Argentina retirou as restrições de exportações, facilitando as vendas de trigo argentino para o mundo. (Agência de Notícias do Paraná )

#RegiãoSul #RegiãoSudesteParanaense #Safra20152016 #Trigo #Soja #Milho #MercadoInternacional #Feijão #SafradeGrãos

ENTRE EM CONTATO

Rodovia do Xisto, Br-476,Km-198, s/nº - Olaria

Lapa/PR 83.750-000  Fone: (41) 3622-1515

bomjesus@bj.coop.br

 ©‎ Todos os direitos reservados | Cooperativa Agroindustrial Bom Jesus - Tradição, Respeito e Constante Evolução