O diferencial de uma assistência técnica de qualidade

10/09/2018

  

Para se obter bons resultados na pecuária de corte e ter sucesso no empreendimento é fundamental que o responsável pelo gerenciamento tenha visão crítica frente aos fatores que afetam o desempenho dos animais e o resultado econômico da atividade, bem como da economia nacional e internacional. Essas atividades serão viáveis a partir de um planejamento que vise à produção a baixo custo e no longo prazo. Tais condições são possíveis por meio de um suporte técnico e administrativo eficiente, que leve o produtor a questionar e reavaliar a sua atividade a cada dia. Este suporte técnico é um diferencial das Rações Fibra e que acontece em várias propriedades da região de abrangência da Cooperativa.  

 

Na propriedade do Sr. José Euclides Ruckl, de 56 anos, localizado em São Bento do Sul, Santa Catarina, na divisa com Corupá, o produtor relata da qualidade das Rações Fibra. “Já trabalhei com algumas outras marcas de rações, mais nenhuma deu resultado como a Fibra deu”, diz o produtor que fala como conheceu a Fibra. “Conheci a ração através de um conhecido que me indicou, daí entrei em contato com o entreposto e marquei uma visita com o técnico”.  

 

O Sr. José começou o trabalho com bovinos de corte com influência familiar. “Meu avô apenas que tinha gado, esse tipo de coisa. Já meu pai sempre foi comerciante e eu também, então acabei gostando pois já tinha os terrenos” afirma o produtor. No começo, segundo José, começou vendendo terneiros e hoje tem um plantel com cerca de 180 cabeças. O produtor reforça que “nunca teve assistência como tenho agora com a Fibra”.  

 

Este trabalho das Rações Fibra é um diferencial com a parceria com a Exian na assistência técnica a campo com o Médico Veterinário, Deivid Ribeiro. Segundo o médico “a dieta só funciona quando segue e faz realmente aquilo que a gente propõe, a nutrição tem inúmeros fatores e uma delas é fazer de acordo com cada propriedade. Assim o produtor tem que seguir, quando eles conseguem resultados é porque realmente fazem”, comenta Deivid.  

 

Este fato de uma assistência com qualidade se mostrou a campo na propriedade em São Bento do Sul, visto que o gado chega a taxas de engorda e peso em pouco tempo, chegando a uma média de peso de entrega a 550 kg. Para Deivid, o “programa de formulação, para o leite e a para o corte, são duas orientações diferentes que fazemos com o produtor. Sempre estamos estudando, se atualizando para sempre trazer o que há de novo no mercado”, e faz questão de ressaltar que “sem dúvida alguma a parte mais importante é aqui, dentro da propriedade”.  

 

SAIBA MAIS  

Segundo dados do CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) o ano de 2017 desafiou os pecuaristas. O ano começou com boas expectativas, com boi gordo sendo cotado a R$ 150,72/arroba em janeiro. No entanto, o pesadelo teve vários episódios a partir de março. A crise na cadeia da carne bovina começou com a Operação Carne Fraca e foi se agravando com a delação da JBS e embargo americano à carne brasileira. A desvalorização da arroba somada ao aumento de custo de produção, à menor liquidez na comercialização de bovinos para abate comprometeram de forma significativa a rentabilidade do produtor rural. O Brasil conta com o maior rebanho do mundo, com 220 milhões de cabeças em 2017, número 1% maior que em 2016. Já em relação a peso de carcaças bovinas abatidas no Brasil chega a 5,6 milhões de toneladas. Para os bovinos abatidos, sob inspeção, são 24 milhões de cabeças e na exportação brasileira de carne bovina chegou a 1,4 milhão de toneladas no ano de 2017.  

 

 

 

 

 

Please reload