CULTIVO DE INVERNO x POUSIO: Importância e benefícios

O cultivo de uma cultura de inverno sempre teve seus altos e baixos. Problemas de mercado são frequentes, e nem sempre a expectativa do produtor quando está semeando se concretiza na colheita. Sob essa ótica, poderíamos facilmente descartar a possibilidade de implantar uma cultura no período outono/inverno. Mas se analisarmos outras variáveis, influenciadas pela decisão de se fazer um cultivo nesse período, vemos que a balança da decisão passa a pesar bastante também para o lado positivo.

 

Como pontos favoráveis do cultivo de inverno vemos vários aspectos: começando com a primeira na avaliação que é sob o ponto de vista do retorno do investimento realizado. Trigo, cevada são cultivos que tiveram um grande avanço tecnológico nos últimos anos. Com boas práticas agronômicas e os cultivares atualmente disponíveis, além de conseguirmos produzir a qualidade que o mercado busca, também conseguimos obter altas produtividades, que viabiliza o cultivo no aspecto econômico. Uma coisa é certa, na maioria dos anos, o melhor momento para a comercialização tem ocorrido um pouco antes da época de se fazer a próxima semeadura, quando o mercado já está enxuto e o produto de boa qualidade sofre boa valorização; portanto, em muitos anos temos que bancar esse período de armazenagem para conseguirmos preços melhores. Mas isso não é regra, e muitas vezes se consegue uma boa condição comercial já no período da colheita. Tudo isso sofre a influência das ofertas e cotações do produto no mercado mundial. Um outro ponto que tem sido observado nas áreas cultivadas no inverno é a facilidade na implantação da cultura de verão e também um melhor desenvolvimento da cultura implantada sobre essas áreas. Outro fator observado é um melhor balanço de alguns nutrientes e como exemplo podemos citar o potássio, nutriente bastante exigido e exportado pela cultura da soja e que o trigo deixa um saldo positivo, quando adequadamente adubado, favorecendo a cultura em sucessão. Também  o controle de ervas daninhas, em especial aquelas que estão  se tornando de difícil controle nas culturas de verão, que deixam de se desenvolver nas áreas cultivadas no inverno. A buva e o azevém são exemplos de espécies que são bem controladas nesse período outono/inverno, quando se utiliza alguma cultura nas áreas nesse período.

 

Deixar uma área em pousio, não é, portanto, a melhor opção para o agricultor. Essa “economia” nesse período, acaba produzindo uma série de problemas, gastos e perdas de produtividade na próxima safra. Deixar a terra descansar como se dizia há  alguns anos, e que ainda se utiliza em algumas regiões, atualmente é uma prática que pode ser superada pela adoção de boas práticas agrícolas, com a utilização de culturas adequadas na sucessão e o uso de boas práticas que explorem os pontos positivos de cada cultura em benefício da que vai suceder a atual. Também não podemos esquecer que a rotação de culturas, embora em alguns anos seja esquecida em função da análise econômica imediata, é uma prática que no médio e longo prazos trazem muitos benefícios a quem a coloca em prática. Outro ponto desfavorável do pousio é o desenvolvimento de várias espécies de plantas na área, muitas delas indesejadas e que acabam produzindo sementes, aumentando o estoque de sementes do solo, infestando os cultivos seguintes e trazendo dificuldades no manejo. Muitas dessas espécies acabam hospedando problemas para a cultura seguinte como por exemplo o mofo branco/esclerotinia, problema que vem aumentando nas culturas da soja e do feijão.

 

Para os produtores que decidiram em não cultivar nenhuma cultura com fins econômicos no período do inverno, recomendamos que seja feita  a implantação de uma cultura para a produção de palha para a proteção de solo. Para tal finalidade, a aveia preta ou o azevém são espécies que se prestam muito bem. Além de produzir bom volume de massa, são de fácil manejo e com benefícios para o desenvolvimento das culturas comerciais na sequência. Não dá mais para fazer o manejo das áreas sem um bom planejamento e adoção das melhores práticas agrícolas. Não é custo, é investimento. O futuro vai mostrar o resultado para quem está investindo hoje, e também para aqueles que não têm essa preocupação.

 

Cultura de soja implantada sobre área onde foi colhida a cultura da cevada e ao lado sobre área que permaneceu em pousio no período de outono/inverno e inicio da primavera. Note a uniformidade de plantas na soja pós cevada e a desuniformidade e atraso da cultura em área que permaneceu em pousio.

 

Cultura implantada em área com boa cobertura do solo em palha de azevém bem manejada. Proteção do solo e das plantinhas da cultura pela palhada garantem o estabelecimento da cultura em condições mais favoráveis ao seu desenvolvimento inicial. Além desses benefícios, bem manejada mantém a área livre de invasoras difíceis de controlar. O investimento compensa pelos benefícios para a implantação da cultura de verão.

 

Please reload